• Giulio Vicini

Por que autocuidados na velhice?

Por Giulio Vicini (email: giu40@gmail.com) Mestre em Gerontologia, Psicólogo, Self-Healing Massage Practitioner/Educator, autor do livro "Abraço afetuoso em corpo sofrido - Saúde integral para idosos", editado por SENAC-SP.


A medicina alopática, tendência dominante de nossa cultura médica, acostumou-nos a pensar que o ser humano não está na origem de suas patologias; ele adoece porque é agredido por corpos estranhos, por agentes externos nocivos e maléficos: vírus e bactérias, o clima -muito frio, muito quente ou muito úmido-, a poluição, o tabaco, o álcool, as drogas, as gorduras, os doces, o chocolate, o ritmo de trabalho, o estresse da vida moderna, a família, a sociedade ou até a própria medicina (iatrogenias). Convencidos disso ao longo de nossa vida, procuramos enfrentar os males que nos afligem, na maioria das vezes ingerindo fármacos que prometem resolver todos os nossos problemas, salvo, evidentemente, os que eles próprios possam criar. Cada novo fármaco que tomamos tem seus "efeitos colaterais", que precisam ser combatidos com outros fármacos. Desta forma, vamos nos tornando fármaco-dependentes: um fármaco "puxa" o outro e assim sucessivamente até nos encontrarmos na situação de ter que engolir uma dúzia deles todos os dias (e os problemas de lidar com muitas pílulas semelhantes em horários diferentes ao longo do dia?). Está criada uma situação insolúvel, pois nenhum médico consegue prever todas as conseqüências das interações medicamentosas, digamos, de mais de três fármacos ingeridos simultaneamente. Mas ninguém parece abalar-se com isso!

A dependência dos fármacos Essa visão de saúde cria nas pessoas uma ansiedade por soluções que vêm de fora e que num passe de mágica resolvam todos os problemas, gerando uma incapacidade de suportar, os sofrimentos, por menores que sejam, em busca de soluções mais duradouras para os desequilíbrios de saúde. Querem um alívio imediato, mesmo que o problema volte agravado logo em seguida. Cria-seum círculo vicioso na relação entre o médico e o paciente: este último é convencido pelo médico da necessidade de tomar fármacos para solucionar seus problemas de saúde e, por sua vez, de tão convencido da necessidade disso, acaba exigindo uma receita do médico (se o médico não lhe indicar um remédio, cria-se freqüentemente um vazio terapêutico que gera ansiedade em ambos). Quando as pessoas não costumam desconfiar que elas podem agir em prol de sua saúde (muitas vezes até temem que alguém possa sugerir que façam algo), parece não haver muito sentido em autocuidar-se no dia-a-dia, a não ser tomar religiosamente remédios. A esse respeito, é comum as pessoas acharem os remédios muito caros, de forma que freqüentemente clamam pela doação do estado (ou por direitos do cidadão). Os políticos, "ouvindo o clamor do povo", criam programas de distribuição gratuita de remédios. Dificilmente alguém se pergunta sobre quem paga por todos esses remédios, que, muitas vezes, além de não remediar, pioram a situação de enfermidade e de sofrimento. Ninguém, porém, se preocupa em criar programas de redução de uso de remédios. Os laboratórios farmacêuticos agradecem e procuram desenvolver cada vez mais remédios "indispensáveis". No fim, não há dinheiro que cubra o orçamento para as políticas de saúde e, assim, o jeito é apelar para os deuses.

Culpados pelo "estouro do orçamento da saúde"? Esta situação atinge mais freqüentemente pessoas idosas, pois elas viveram o suficiente para tornar-se fármaco-dependentes, devido a enfermidades ditas degenerativas, isto é, que geram um processo de adoecimento lento e progressivo durante um longo tempo. As políticas de saúde não se preocupam com a prevenção das doenças degenerativas e depois as autoridades sanitárias e as empresas de saúde queixam-se porque os idosos absorvem muitos recursos por causa de tratamentos caros e prolongados. Há alguma lógica nisso? Parece que não, mas é isso que acontece o tempo todo.

Freqüentemente, lemos artigos e ouvimos autoridades sanitárias dizendo que quanto mais idosa a pessoa mais elevado fica o volume de dinheiro de que ela necessita para o tratamento de suas enfermidades. Assim, cria-se o preconceito de que todo idoso é um enfermo que custa caro. Este preconceito deve ser repudiado por todos que, sendo ou não idosos, perceberam que a visão de saúde pode ser diferente da que está sendo mantida pela medicina alopática e que, portanto, as políticas de saúde também podem ser diferentes (e quiçá também mais baratas)..


Saúde como capacidade inata de

equilíbrio do organismo Em meu livro sobre saúde integral para idosos[1] abordo com mais detalhes essa visão de saúde que se desenvolveu, em tempos recentes, a partir da década de sessenta, no século passado, na esteira dos movimentos de contra-cultura, que fizeram renascer um sem-número de terapias ditas alternativas, mostrando para o mundo que não há uma única medicina (a alopática) e que também não há uma única visão de saber médico (o ocidental, que se arvora em ser o único "científico" e, portanto, o único aceitável). Considerando nosso organismo não como uma máquina mecânica, mas como um sistema vivo complexo, proponho, junto com muitos outros autores, que "saúde é um movimento de auto-organização que permite às pessoas se manterem equilibradas, podendo transcender a si mesmas para alcançar novos estágios de desenvolvimento" (o.c., p.73). Nesse contexto conceitual, as enfermidades são apenas sintomas que denunciam um desequilíbrio, solicitando de nosso organismo uma reação de recomposição de um equilíbrio. Este poderá não ser necessariamente o equilíbrio anterior à enfermidade, mas será um novo equilíbrio (podendo ser até superior), o qual permitirá ao ser humano continuar a sua caminhada em direção a seu destino. Está claro que a visão de saúde que vê o organismo humano como um sistema complexo, relacionado com outros sistemas igualmente complexos, é também uma visão holística, pois o organismo humano é considerado como um todo único - corpo, mente, psique, espírito, em relação como o mundo - sem possibilidade de fragmentações que reduzam a saúde meramente a algo ora físico ou mental, ora psíquico ou espiritual, ora social.

Por que autocuidados de saúde? Se você aceita a idéia de que o organismo humano é em si saudável, por possuir um poder próprio de reequilíbrio quando adoece, você pode compreender por que vale a pena ter autocuidados de saúde. Em primeiro lugar, ao se autocuidar, você lança mão de um recurso a mais, além de todos os recursos externos a você que estão a seu alcance. Em segundo lugar, autocuidados de saúde são recursos baratos (mesmo que você tenha que gastar algo para aprender a se autocuidar), pois requerem apenas gastos de seu tempo e de sua atividade. Em terceiro lugar, autocuidados são meios não-invasivos (ao contrário de fármacos e cirurgias), que não oferecem perigo de efeitos colaterais perniciosos ou riscos de algo não dar certo. Em quarto lugar, eles dão alívio imediato a seu sofrimento, pois atuam na redução da ansiedade e da dor ou da restrição de movimento. Além disso, eles costumam ter conseqüências fisicamente prazerosas, por diminuírem as tensões e produzir no organismo efeitos de bem-estar fisiopsíquico. Por fim, em quinto lugar, autocuidados mantidos durante algum tempo geram benefícios que perduram no tempo e que permitem recuperar funções que já haviam sido perdidas, sem prejudicar outras funções (coisa nem sempre possível através de fármacos).

Autocuidar-se na velhice? A medicina alopática define uma série de distúrbios, geralmente de tipo degenerativo, como sendo associados à velhice. Embora isto apenas signifique que esses distúrbios aparecem, do ponto de vista estatístico, principalmente na velhice, muitos médicos e, de conseqüência, muitos de seus pacientes entendem que a velhice é a causa desses distúrbios. Se assim fosse, ao ficarmos velhos todos nós deveríamos sofrer de todos esses distúrbios. Dessa forma, alastrou-se a crença que velhice rima com doença, com incapacidade, com restrição de movimento, com dificuldade de recuperação física, com falta de plasticidade do organismo, com fraqueza física e mental, enfim, com a ante-câmara da morte, se não com ela própria. Essa mentalidade parece absurda à primeira vista, mas é ela que orienta um grande número de pessoas a descuidar das dificuldades físicas e mentais dos idosos, por pensar que são próprias da idade e que não há muito a fazer. Quem se preocupa com a flexibilidade e a mobilidade física do idoso? Para quê? É normal um velho curvo arrastando os pés! É normal porque parou de se autocuidar, de se movimentar adequadamente e foi perdendo capacidade física e de movimento, aos poucos, até achar que não haveria mais nada a fazer. A psiconeurociência reconheceu que o organismo mantém sua capacidade plástica, de adaptação e de recuperação, até idade avançada. Portanto, sempre é tempo para rejuvenescer, isto é, para voltar a recuperar funções, mobilidade e motilidade perdidas por falta de uso adequado do corpo ou como conseqüência de algum problema de saúde. Autocuidados são úteis em qualquer idade, inclusive e sobretudo na velhice, quando se chega a ela com um corpo descuidado de há muito tempo.

Self-Healing educa para o autocuidado Entre as diversas formas de autocuidados, quero destacar as que são preconizadas pelo método terapêutico Self-Healing (autocura, em inglês) de Meir Schneider. Este método apropriou-se das melhores práticas corporais de vários outros métodos e as unificou de forma eficaz, simples e criativa. Ele incentiva-nos a modificar os nossos padrões de comportamento, que se fixaram ao longo do tempo em nosso corpo, gerando os distúrbios que nos afligem ou impedindo que o nosso corpo desfrute de maior bem-estar. Devemos modificar principalmente nossos padrões de respiração e de movimento, pois a primeira pode melhorar a oxigenação do nosso organismo e o segundo sua nutrição pela via sangüínea, liberando a energia interna de nosso organismo para superarmos desequilíbrios e exercermos as atividades de nossa vida com mais força e criatividade. Modificando esses padrões, modificaremos nosso cérebro, ativando-o cada vez mais para cumprir com suas funções de coordenação geral do organismo. Tudo que devemos aprender a fazer são exercícios simples de respiração e de movimentação (alongamentos, caminhadas), num processo de escuta de nosso corpo (consciência/percepção corporal) e de redescoberta de cada parte deste corpo, que, com o tempo, costuma virar um monobloco. É gostoso descobrir na velhice que o corpo que nos parecia um estorvo pode ser o companheiro de novas descobertas, de novos desejos e de novas satisfações. OUTROS ARTIGOS DO AUTOR (em breve no nosso blog) - Massagem, ainda que tardia - Movimento, ainda que tardio - Morrer curado? - Esqueceu-se de respirar e morreu - Envelhecer sem visão? - Envelhecimento, plasticidade do cérebro e saúde - Fundamentação, assentamento, grounding (sobre terapia bioenergética - 6 p.) - Esclerose múltipla (síntese da literatura científica e do Método Self-Healing - 29 p.) (os últimos dois artigos devem ser requeridos ao autor: giu40@gmail.com) [1] Giulio Vicini. Abraço afetuoso em corpo sofrido: saúde integral para idosos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2002, 192 p



Contato

© 2017 Método Meir Schneider Self-Healing®

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Logo%20Telegram_edited
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social

Entre em contato com a gente e receba atualizações de palestras, cursos e workshops de Self-Healing em todo Brasil.